PITADAS DE ZI

IMG_1668Posto aqui alguns trechos do meu livro Cartas de Zi, lançado no último dia 19 de outubro, para vocês terem ideia dos contos que fazem parte da obra. Para lerem os contos por inteiro, o livro estará disponível a partir da semana do dia 26/10, na loja virtual da editora Multifoco.

Preconceituosa, cruel e extremamente sarcástica, esta personagem vai chocar você…

Divirtam-se!

Mas cuidado… nem sempre isso será possível…

CARTAS DE ZI – Denise Sintani

Outubro /2014

[…] Agora, muita ingenuidade tua achares que, arrumando tantos meninos para criar, não terminarás sozinho. Cabritão, os filhos vão embora e daí vai te restar somente tua baranga que, sendo mais velha, caducará primeiro que ti. Mas não fiques deprimido. De uma maneira ou outra, acabamos sempre cuidando de alguém, ou tendo que ser cuidados, não é? A vida é assim e não tens que te envergonhar de teres feito as escolhas que achavas serem as melhores. Tu és tão bronco às vezes! Se visses mais filmes do Woody Allen, talvez pudesses relaxar um pouco.

(Das primeiras cartas de Zi

********************************************************************************

…e eu detesto essas coisas de uso geral. Tu és a única coisa com que me permito conviver sendo do uso geral. Sugere atitude bem elitista de minha parte, mas que posso fazer, não é fácil pensar no coletivo, quando toda a vida foi privada. (…) 

(Cartas de Zi)

********************************************************************************

[…] Pelo cabelinho maltratado com penteado ao contrário do convencional e pelas tatuagens, posso afirmar que ela quer fazer o papel de diferente, libertária, mulher dona de si. Pobrezinha, nunca deve ter lido, pelo menos com atenção, nenhum dos clássicos. Assim ela saberia que gente com essa mentalidade mediana como a dela não passa de Ema Bovary ou Conceição. Se ela te botou chifres, minha delícia, não foi por destino, por ela ter encontrado um grande amor, mas provavelmente por tédio, por tu fazeres pouco caso dela. Queres ver como adivinho? Tu descobriste e isso reavivou teu casamento de merda por algum tempo, já que tu és possessivo e um grande machista dissimulado. Muito previsível essa tua xifruda, Gustave Flaubert já a conhecia há dois séculos. Ele só provavelmente não poderia prever que ela te arrumaria tantos meninos para cuidar, depois de tudo… Mesmo porque os franceses evitam crianças. Valha-me deus! […]

(Cartas de Zi)

********************************************************************************

[…] Mãe, mas você é quem deveria segurar o bebê no banco de trás, não acha? Para que sentar do lado do pai no carro, se é para ficar calada, ou falando coisas para o que ele nem responde direito? E este neném que precisa ser meu irmão é pesadinho à beça. Nem chegava a formular esse pensamento, só sentia, enquanto tentava se acomodar o melhor possível naquele aperto. Mas ela mesma sempre dizia, quando cismavam de sair de carro – o que acontecia poucas vezes – em família: o certo é a esposa ir ao lado do marido, na frente. Ele só precisava saber se todo carro tinha tanta família assim.  […]

(“Grande”)

********************************************************************************

[…] O trabalho tem de ser uma paixão. Acreditava piamente em que a senhora Juliana pensasse assim, a bem feitora da classe operária, que promovia empregos para os pobres em sua grande empresa do bem. Aqui ainda se diz classe operária? Ouvira dizer que, em Nova Iorque, dizer uma coisa assim é inapropriado, politicamente incorreto. […]

(“A mulher que não matou as joaninhas”)

********************************************************************************

[…] Em dia de chuva, a coisa vinha mais fácil. Sentia-se tão bem, que as pessoas acabavam achando que não organizava as ideias; chamavam-no obscuro, esquisito, anormal… coisas que assustam e ao mesmo tempo aliviam. Quando deixou as pessoas descobrirem que não gostava de Natal, foi um escândalo: amargo, sem coração, pobre alma perdida. Mas deixava fluir o desprezo: a inveja, a luxúria, a ira, seja lá quais fossem os sete pecados capitais, que todos cometiam pelo menos dois todo santo dia. Ele cometia todos, embora nunca se lembrasse de todos ao mesmo tempo. Adorava. […]

(“Café da manhã”)

********************************************************************************

Ensaiava os primeiros passos, o que significava mais uma vez, depois de pouco tempo, o fim do sossego. O penúltimo já andava. Já pedia, já tinha quase que vontade própria e era um inferno. Às vezes também fazia coisas engraçadas e o fazia rir. O sorriso de uma criança…

(“Café da manhã”)

********************************************************************************

Zi era descanso, alegria, luzinha de alívio na vida tão cheia de coisas, muitas delas coisas que ele nem sabia se desejava mesmo, ou se desejaram por ele. Claro, também era um delicioso estepe para os dias de dor de cabeça da esposa que, aliás, depois dos partos, ficavam cada vez mais frequentes. Era uma das maçadas de se ter filhos: perdia-se um pouco a mulher.

(“Café da manhã”)

********************************************************************************

Como pode uma mulher ser completa, sem ter sido mãe? Ser mãe faz parte, é mágico! Ouviu uma das cunhadas dizendo, enquanto olhava para o presente de natal da filha do meio, que o deu juntamente com um beijo rápido e obrigatório nas bochechas. Sabia que a filha Joseli odiava seu cheiro de nicotina. Levantou os olhos para olhar a loira filha Joseli, roliça e um pouco mais envelhecida pelos vários partos seguidos. Ela entregava o presente ao filho mais velho: um boné com o símbolo de New York. Cor azul escuro, claro, cor de macho.

(“O natal de dona Jô – mãe”).

********************************************************************************

Bem, minha “filosofia de bairro” já está me cansando. E depois, deliciozudo, família enorme e unida inevitavelmente consome mais, faz a economia crescer, e isso é bom para o país e bom para mim.

Que se vendam muitas frente-únicas de oncinha, fraldas e TV´s full- HD. E o mais importante para mim e para ti é que não faltem as delícias do foder.

Beijos e lambidas demoradas no teu picalhão que tanto adoro,

(Cartas de Zi)

Anúncios

Uma ideia sobre “PITADAS DE ZI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s